Informações sobre a vacina contra o HPV

O câncer de colo de útero é uma das doenças mais comuns em todo o mundo e está intimamente ligado à infecção pelo Papilomavírus Humano (HPV). Essa doença é considerada a virose mais comum de transmissão sexual. Estima-se que a infecção esteja presente entre 15% e 20% dos adultos jovens e entre 5 a 7% dos adultos com mais de 40 anos de idade e sexualmente ativos. No todo, uma parcela provável de 75% da população sexualmente ativa tenha sido exposta ao vírus em algum momento das suas vidas. Já foram identificados aproximadamente 140 tipos de HPV, sendo que cerca de 40 deles infectam o trato genital inferior. Desses, 15 são classificados como oncogênicos ou de alto risco para o câncer de colo de útero, de vagina, de vulva, de ânus e reto. Estudos demonstram que os HPVs 16 e 18 são os responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer de colo uterino e já os de baixo risco ou não oncogênicos, principalmente os tipos 6 e 11, estão envolvidos no desenvolvimento de verrugas genitais em mais de 90% dos casos. 


Vou resumir pra vocês, um material informativo com perguntas e respostas, distribuído pelo laboratório que desenvolveu a vacina quadrivalente, o qual está bem esclarecedor. 


Com a vacina quadrivalente contra o HPV, mulheres a partir dos 9 até os 26 anos podem ser vacinadas e ficarão protegidas em:
98% contra o câncer do colo de útero
100% contra o câncer de vulva
100% contra o câncer de vagina
99% contra as verrugas genitais

1) Como é a vacina?
   A vacina é elaborada com uma partícula semelhante ao vírus, portanto não contém o vírus e quando entra em contato com o organismo induz uma importante resposta com produção de altos níveis de anticorpos neutralizantes, ou seja, aqueles que tem a capacidade de impedir a penetração do HPV na célula do hospedeiro.

2) Quais os tipos de doenças que a vacina quadrivalente contra o HPV previne?
Essa vacina é a única que protege contra 4 tipos de HPV: 6, 11, 16 e 18. Os HPVs 16 e 18 são responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo uterino e os tipos 6 e 11, pelas verrugas genitais em 90% dos casos. Dessa forma a vacina protege contra o surgimento de câncer de colo, vagina, vulva e ânus. É importante salientar que a vacinação não tem efeito terapêutico nas infecções preexistentes por HPV ou nas alterações no Papanicolaou. Ou seja, ela não trata, apenas previne.

3) Quem deve ser vacinado?
No Brasil, atualmente a vacina está indicada para meninas e mulheres com idade entre 9 e 26 anos. O ideal é vacinar pacientes virgens, pois essas ainda não estiveram expostas ao vírus e a vacina tem caráter profilático e não terapêutico. Existe eficácia também para mulheres não virgens desde que essas não tenham sido contaminadas pelo HPV anteriormente. Se já tiverem sido contaminadas, a vacina ainda protege contra os outros 3 tipos de HPV, mas não serve de tratamento para o tipo de HPV que já contraíram. Em outros países, a vacina quadrivalente contra o HPV também está licenciada para mulheres de até 45 anos e para meninos e homens de 9 a 26 anos. As agências regulatórias brasileiras estão avaliando essas aprovações para que em breve estejamos usando a vacina nesses grupos também.

4) Como é feito o esquema vacinal?
O esquema recomendado é de 3 doses: a segunda é feita 2 meses após a primeira e a terceira é feita 4 meses após a segunda ( 6 meses após a primeira dose).

5) Quanto tempo dura o efeito da vacina?
    Essa duração ainda não está bem estabelecida, pois os estudos estão limitados ao tempo dos ensaios clínicos que concluíram que em pelo menos por 10 anos não será necessária nova dose de reforço. A estimativa que é que esse tempo seja ainda maior chegando a 20 anos.

6) Podem ser vacinadas as mulheres que já tiveram qualquer tipo de infecção pelo HPV?
    Sim, pois se já teve contato com 1 dos 4 tipos de vírus contidos na vacina, vai ficar imune contra os outros 3 tipos também. Mas não deverá esquecer que não será um tratamento contra o vírus que já teve contato e sim uma proteção futura adicional.

7) Podem ser vacinadas as mulheres grávidas e as que estejam amamentando?
    A vacina não está indicada para as grávidas. Se a descoberta da gravidez foi durante o esquema vacinal, as doses restantes devem ser administradas após o parto. Não é necessário o teste de gravidez antes da vacinação. As mulheres em lactação podem receber a vacina quadrivalente contra o HPV.

8) Quais os efeitos colaterais?
    Algumas pacientes apresentaram os seguintes efeitos colaterais: dor, eritema e edema de leve a moderada intensidade no local da injeção. Entretanto esses sintomas não foram tão intensos a ponto de impedir o término do esquema vacinal.

9) As mulheres que tomaram as 3 doses da vacina podem suspender as coletas anuais do Papanicolaou?
    A vacina é eficaz contra os 4 tipos de HPV contidos nela e os mais incidentes na população mundial, mas a vacina não protege contra outros sorotipos e nem contra infecções preexistentes. Dessa forma é mandatória a continuação das suas coletas anuais do exame preventivo do câncer do colo do útero.